"Cristão é meu nome e Católico é meu sobrenome. Um me designa, enquanto o outro me especifica.
Um me distingue, o outro me designa.
É por este sobrenome que nosso povo é distinguido dos que são chamados heréticos".
São Paciano de Barcelona, Carta a Sympronian, ano 375 D.C.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Morre o grande exorcista Pe. Gabrielle Amorth - "A morte de um exorcista"



 
Faleceu na última sexta-feira, 16 de setembro,  o - pode-se dizer - exorcista mais famoso do mundo: Padre Gabriele Amorth. Tal fama se deve a uma soma de fatores, dentre os quais podemos citar a grande curiosidade relacionada à figura do exorcista provocada pela multiplicação de filmes que tratam do assunto associada ao fato de Padre Amorth ser o exorcista da Diocese de Roma (portanto chamado "o exorcista do Vaticano"), fundador e presidente honorário da Associação Internacional dos Exorcistas além de autor de dezenas de livros sobre o tema com milhões de cópias vendidas em todo o mundo.
 
Em respeito a este grande sacerdote e figura emblemática da batalha entre a Igreja de Deus e os poderes das trevas, reproduzimos abaixo o ótimo texto de autoria do Jorge Ferraz (do site "Deus lo Vult").
 
Requiem aeternam dona eis domine et lux perpetua luceat eis
 
*            *            *            *            *            *            *            *            *
 
A MORTE DE UM EXORCISTA
 
 
O recente falecimento do pe. Gabriele Amorth pegou-me de surpresa. Sim, o velho exorcista já contava com 91 anos e, nesta idade, a morte não é propriamente um acontecimento inesperado; a manchete, no entanto, mostrou-me o quão pouco eu estava acompanhando as notícias a respeito dele. Não sabia que estava doente, aliás nem me lembrava ao certo da idade dele. Na sexta-feira passada, no entanto, ele deixou o campo de batalha terreno para nos ajudar lá do Alto, onde agora pode mais junto a Deus.
 
funerales2_gabrieleamorth_danielibanez_aciprensa_19092016
 
Há um mau hábito — já devo ter falado dele em algum momento por aqui — no Catolicismo contemporâneo de ser muito condescendente para com as imperfeições alheias, principalmente no que diz respeito à tendência de conceder uma imediata ascensão aos Céus às almas daqueles que minimamente admiramos. Todo mundo ésanto sùbito, toda morte é entrada gloriosa no Paraíso. Esquecemo-nos do Purgatório — e isso pode até ser falta de caridade de nossa parte, na medida em que nos sentimos desobrigados de rezar pelas almas daqueles que já consideramos salvos. Esquecemos do Purgatório e queremos que todos os nossos mortos estejam, desde já, desde o instante seguinte à morte, gozando da Bem-Aventurança dos eleitos de Deus.
 
Ainda assim, eu disse acima que o pe. Amorth já agora estava nos ajudando de junto de Deus. Justifico. Em primeiro lugar, o venerável sacerdote chegou a uma avançada idade, e isso significa duas coisas. Primeiro que não foi apanhado de surpresa pela Morte; segundo, que pôde padecer os sofrimentos próprios da velhice em expiação pelas próprias faltas e em preparação para o Dia sem ocaso. Muitas pessoas acham que a melhor morte é aquela que nos chega sem que percebamos; o famoso “ir dormir e acordar morto”. Não vou dizer que este seja uma má morte (até porque a morte ser boa ou má depende essencialmente das disposições interiores em que nos encontramos no instante derradeiro, e não de ela ser mais demorada ou mais lenta, mais consciente ou mais súbita); mas se trata, parece-me, pelo menos de uma morte arriscada. As pessoas perderam o hábito de pensar na morte e, com isso, a morte repentina, de um mal súbito, ou a morte em um acidente, podem chegar sem que a casa esteja devidamente preparada, sem que as disposições interiores estejam suficientemente lapidadas, sem que a alma esteja pronta, em suma, para se encontrar com Deus e com os pecados de toda uma vida.
A morte na velhice, após uma doença mais ou menos longa, é o contrário. A Inimiga das Gentes vem devagar, vem anunciando a própria presença, vem a passos lentos — e, com isso, dá mais tempo para que nos preparemos. Podemos fazer um demorado exame de consciência; podemos suplicar mais demoradamente o perdão e a misericórdia de Deus. Podemos nos confessar, receber a Extrema Unção e o Viático; podemos até mesmo oferecer os inconvenientes da doença, os achaques, o medo, as dores — os sofrimentos todos em suma — em expiação pelas nossas faltas. Li que o pe. Amorth expirou após algumas semanas internados em um hospital; quero crer, portanto, que ele tenha sabido aproveitar todas essas oportunidades de apressar a própria chegada no Céu.
Uma segunda razão pela qual imagino que o pe. Amorth esteja junto de Deus é o ofício ao qual ele dedicou a própria vida. Não foi apenas sacerdote (como se isso fosse pouco), mas sim sacerdote e exorcista. Foi nesta terra inimigo ferrenho de Satanás, lutando corajosamente contra ele exatamente naqueles aspectos em que a presença demoníaca no mundo é mais forte e mais perturbadora: a obsessão, a infestação, a possessão. O mundo moderno vive em uma crise de Fé que, se muito esquece de Deus, muito mais esquece do Diabo; esta figura é muitas vezes relegada à superstição medieval, à ignorância de um passado obscuro, a concepções maniqueístas primitivas que não encontram mais lugar em um mundo onde Deus é Amor.
Ora, mas Deus sempre foi Amor; Deus é Amor desde a criação dos Anjos e a Queda de Lúcifer, e uma coisa não tem nada a ver com a outra. Satanás não é um “deus do mal”, mas isso não significa que não seja uma criatura capaz de fazer muito mal. Há entre os homens ladrões e assassinos, sádicos e estupradores, salteadores e bandidos de todos os naipes; a quantidade de mal que o homem tem provocado ao próprio homem é enorme e capaz de assombrar por toda uma vida aqueles que dela tenham ainda que um pálido vislumbre. Senão vejamos: se os homens podem causar mal uns aos outros sem que isso seja um óbice à existência de um Deus que é Pai Amoroso, por que um anjo não poderia também provocar o mal aos filhos de Deus sem que isso minimamente maculasse a Onibenevolência do Altíssimo? Não há maniqueísmos dentro da Doutrina Cristã e nunca os houve; não há um deus mau ao lado do Deus que é Bom. No entanto, o mistério da liberdade que permite a existência do mal moral dentro do mundo criado não se restringe apenas aos seres humanos. Também os anjos têm inteligência e vontade, também eles são seres livres, também podem fazer o mal. Satanás não é uma hipótese ingênua e contraditória com a noção de um Deus sumamente bom, pelo menos não mais do que um estuprador ou um serial killer. Na verdade é o contrário: ingenuidade é imaginar que, havendo ladrões e assassinos no mundo, não pudessem existir também seres angélicos voltados à prática do mal.
 
amorth
 
O pe. Amorth foi inimigo ferrenho de Satanás nesta terra, eu dizia, e venceu-o por incontáveis vezes, e por isso eu também quero acreditar que Deus o tenha levado depressa para os Céus; pode ser sentimentalismo, mas acho que não convém que aquele que foi inimigo aberto do Demônio no mundo tenha a sua entrada no Céu postergada por causa de algum apego de sua alma aos pecados que nada mais são do que as obras do mesmo Satanás que ele dedicou a vida a combater. Mas há ainda uma terceira razão. É que o tempo e a Eternidade relacionam-se de maneira, digamos, curiosa: aqui a história se desenrola de maneira sequencial mas, lá, é tudo já e(vi)terno.
O padre Pio certo dia rezava pelo seu avô. “Mas padre, o senhor não disse que ele já estava no Céu?”, um amigo perguntou; “sim, está, mas as orações que eu fiz por ele até hoje e as que eu ainda farei até o fim da minha vida o ajudaram a chegar lá”. O John McCaffery registrou a história em seu livro de memórias, e compreendê-la ajuda a contemplar melhor o mistério da Comunhão dos Santos. O Céu já está completo enquanto a História se desenrola; e por mais tempo que uma alma justa tenha passado no Purgatório, já agora ela está no Céu, já agora ela pode interceder por nós.
 
É com este ânimo que olho para o pe. Amorth e quero já vê-lo em esplendor — o velho guerreiro revestido de suas armas gloriosas, impingindo já a Satanás maiores tormentos do que nos mais formidáveis exorcismos que ele exerceu durante a sua vida…! Que assim seja. Que o bom Deus olhe com misericórdia para o seu pobre servo e lhe dê o descanso eterno, a luz e a paz. E que, do alto dos Céus, o padre Gabriele Amorth continue a fazer guerra terrível contra todos os espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas.
 
Fonte: Deus lo Vult

terça-feira, 6 de setembro de 2016

As Mártires de Madre Teresa de Calcutá

No último domingo, 04 de setembro de 2016, foi canonizada Madre Teresa de Calcutá. Por conta da importância de tal evento, a santa fundadora das Irmãs Missionárias da Caridade teve sua história reproduzida e recontada por diversos meios de comunicação.
 
Ao contrário do que se esperaria, o blog Morro por Cristo neste post não irá tratar da canonização de Madre Teresa ou mesmo de sua história, mas sim de um acontecimento pouco divulgado em nossa mídia ocidental, envolvendo algumas das filhas espirituais de Madre Teresa: O martírio de 4 Irmãs Missionárias da Caridade ocorrido no Iêmen, em 04 de março de 2016.
Primeiro, vejamos a notícia tal qual foi publicada - na data do martírio - no site da Rádio Vaticana:
"Igreja \ Igreja no mundo
Iêmen: 4 missionárias de Madre Teresa mortas em ataque terrorista
Áden (RV) – Extremistas armados do autoproclamado Estado Islâmico teriam atacado o convento da Congregação fundada por Madre Teresa de Calcutá na cidade de Áden, no sul do Iêmen, na manhã desta sexta-feira (4). Quatro irmãs Missionárias da Caridade e outros 10 colaboradores locais da comunidade foram mortos.
Duas das missionárias mortas eram de Ruanda, outra da Índia e a quarta do Quênia. A superiora do convento conseguiu escapar com vida, como também todos os idosos e deficientes que eram hospedados e atendidos na comunidade.
No entanto, os extremistas teriam sequestrado o Padre Tom Uzhunnalil, sacerdote salesiano indiano que vivia na estrutura e que, durante o ataque, estaria rezando na capela. Padre Tom estava no convento desde que sua igreja da Sagrada Família em Áden foi roubada e queimada por homens armados não-identificados no mês de setembro.
Para o vigário apostólico da Árabia Meridional, Dom Paul Hinder, que foi quem deu a notícia, o “sinal é claro: se trata de alguma coisa ligada com a religião”. “A gente sabia que a situação estava difícil e que as irmãs, que no passado foram objeto de ataques mirados, corriam um certo risco”, comentou o vigário.
 
Todavia, acrescentou Dom Paul, “elas tinham decidido de ficar independente de qualquer coisa que acontecesse, porque faz parte da espiritualidade delas. De resto, estava claro que ‘a região não estava segura’”, finalizou o vigário.
(AC)"
Traduzimos abaixo o relato da Irmã Sally, superiora do convento de Aden e única sobrevivente do massacre perpetrado por integrantes do "Estado Islâmico".
Assim foi o martírio das Missionárias da Caridade assassinadas no Iêmen
No último dia 4 de março, um grupo de "jihadistas" invadiram o asilo de Aden, no Iêmen, mantido pelas Irmãs Missionárias da Caridade. A sangue frio, assassinaram a quatro das religiosas responsáveis por atender aos idosos e incapazes e a outras doze pessoas que trabalhavam com elas, juntamente com alguns dos residentes que tentaram impedir o massacre. 
 
Apenas uma das religiosas presentes no lugar sobreviveu: Irmã Sally, a superiora do convento de Aden. Ela conseguiu escapar da morte escondendo-se numa câmara frigorífica enquanto os assassinos de suas irmãs em vão tentavam encontra-la. Após o massacre, a religiosa foi enviada para fora do país e pôde contar o quê aconteceu naquele 4 de março em que 16 pessoas perderam a vida por causa do ódio religioso.
Dom Edward Rice, Bispo auxiliar da Arquidiocese estadounidense de Saint Louis, leu durante seu sermão na Missa pelas Missionárias da Caridade assassinadas, a narração de Irmã Río, uma religiosa da Congregação para quem Irmã Sally relatou os acontecimentos desse dia em que o martírio chegou ao convento das Missionárias da Caridade. Por sua vez, Irmã Río comunicou por fax à Irmã Adriana o estarrecedor relato da única religiosa sobrevivente do massacre do Iêmen, fax ao qual teve acesso o site National Catholic Register e que foi difundido entre várias comunidades religiosas nos Estados Unidos.
Graças a este relato atribuído originalmente à Irmã Sally, pode-se conhecer como foi o martírio dessas religiosas, que já haviam sido advertidas da necessidade de fugir do país diante das ameaças que recebiam por parte dos radicais islâmicos. Segundo este testemunho, eles as ataram a uma árvore, dispararam em suas cabeças, para depois as esmagarem em um ato de ódio extremo. 
Os acontecimentos começaram às 8.30 da manhã, quando as freiras haviam acabado de assistir à Santa Missa e se encontravam servindo o café da manhã aos anciãos e incapacitados por elas atendidos. Segundo este relato, homens do ISIS vestidos de azul invadiram o recinto e mataram o guarda e o motorista, para depois partir em busca das irmãs.
Vários jóvens cristãos que se encontravam na residência, ao presenciar os primeiros assassinatos, correram para advertir as religiosas de que o ISIS estava ali para mata-las. Os cinco jóvens foram assassinados um a um, da mesma forma que as irmãs: foram atados, sofreram disparos na cabeça que em seguida foi esmagada.
A mesma sorte tiveram quatro mulheres que trabalhavam com as Missionárias da Caridade e às quais se ouviu suplicar antes de morrer: "Não matem as irmãs!". Após assassinarem a estas mulheres, os "jihadistas" foram atrás das religiosas e acabaram cruelmente com suas vidas, ainda que só conseguiram encontrar a quatro das irmãs que viviam na residência.
Irmã Sally, superiora do convento, ao escutar os gritos, correu para o convento e se deparou com os corpos de suas irmãs. Como os "jihadistas" continuavam à sua procura, ela se escondeu na câmara frigorífica. Por três vezes, afirmou a religiosa, os assassinos entraram na câmara sem encontrá-la, enquanto ela permanecia escondida atrás da porta. 
A sobrevivente do massacre do Iêmen teve que abandonar a residência e os enfermos que não haviam sido assassinados, obrigada pela polícia. Os agentes que chegaram ao lugar do atentado, não deixaram que ela permanecesse em Aden, por medo de que os "jiihadistas" voltassem para acabar com sua vida. Com grande pesar, Irmã Sally teve que deixar para trás as pessoas que atendia, pessoas essas que lhe suplicavam para que não os deixasse.
Menos sorte teve o Padre Tom, que foi capturado pelos "jihadistas" e que até o momento permanece em paradeiro desconhecido. O padre Tom, ao escutar os gritos durante o ataque, correu para a capela do convento para consumir as hóstias consagradas que havia no Sacrário antes que pudessem ser profanadas pelos terroristas. Assim foi capturado e levado à força até um carro, enquanto seus sequestradores destruíam o interior da capela. 
Abaixo, o conteúdo da carta que registra o testemunho de Irmã Sally: 
As irmãs tinham Missa e café da manhã como de costume. Como de costume, o padre ficava na capela para rezar, e em seguida, arrumava as cosas em todo o recinto.
08 a.m.: Fazem a oração do Apostolado e em seguida as cinco se dirigem à casa.
8:30 am: Homens do ISIS vestidos de azul entram, matan o guardia e o motorista.
Cinco jóvens da Etiópia (cristãos) começaram a correr para contar às irmãs que o ISIS estava ali para matá-los.  Foram assassinados um por um. Os ataram às árvores, lhes atiraram na cabeça e destroçaram suas cabeças.
As irmãs correram em diferentes direções, porque haviam homens e mulheres na casa. Quatro mulheres que trabalhavam na casa estavam gritando: "Não matem as irmãs! Não matem as irmãs!". Uma delas era a cozinheira há 15 anos. Também foram mortas.
Pegaram a Irmã Judith e a Irmã Reginette em primeiro lugar, as amarraram, lhes dispararam na cabeça e lhes destroçaram a cabeça. Quando as irmãs correram em diferentes direções, a superiora correu até o convento para avisar ao padre Tom.
Pegaram a Irmã Anselm e a Irmã Margarita, as ataram, lhes atiraram na cabeça e lhes destroçaram suas cabeças na areia.
Enquanto isso, a superiora não pôde chegar ao convento. Não está claro quantos homens do ISIS estavam ali.
Ela viu mortas a todas as irmãs e ajudantes. Os homens do Estado Islâmico já estavam entrando no convento assim que ela entrou na sala frigorífica, já que a porta estava aberta. Esses homens do ISIS estavam por todas partes, procurando-a, já que sabiam haver 5. Ao menos por três vezes entraram na sala frigorífica. Ela não se ocultou, porém se manteve de pé detrás da porta - e não a viram. Isso é milagroso.
Enquanto isso, no convento, o padre havia ouvido os gritos e consumiu todas as Eucaristias.  
Um vizinho viu como jogaram o padre Tom em seu carro. Eles não encontraram nenhum rastro do padre. Todos os artigos religiosos foram quebrados e destruídos - Nossa Senhora, crucifixo, altar, Tabernáculo, suporte do lecionário - incluindo seus livros de orações e Bíblias.
10:00 ou 10:15 horas: Os homens do ISIS terminaram e se foram.
Irmã Sally foi buscar os corpos das irmãs. Ela os tinha. Ela foi aos pacientes, a cada um deles individualmente para ver se estavam bem. Todos estavam bem. Não houve feridos.
O filho da mulher que era a cozinheira (que morreu) a estava chamando pelo celular. Como ela não respondia, chamou a polícia, e foi com ela (polícia) até o local, onde se deparou com essa grande matança. A polícia e o filho da cozinheira chegaram por volta das 10:30 da manhã.
A polícia imediatamente levou a Irmã Sally dali - ela se negou a deixar as pessoas que estavam chorando, "Não nos deixe; fique conosco!". No entanto, a polícia a obrigou a ir com eles, porque o ISIS sabia que havia 5 freiras, e estavam convencidos de que não se deteriam até que a matassem também. Então, finalmente teve que partir. Ela recolheu suas roupas e os corpos das irmãs, e a polícia os levou a um hospital internacional chamado "Médicos sem Fronteiras" para sua proteção. Por não haver espaço suficiente no necrotério do hospital, a polícia levou seus corpos para um necrotério de um hospital maior.
Irmã Sally disse à Irmã Río que ela está muito triste porque ela está só e não morreu com suas irmãs.  Irmã Rio lhe disse que Deus queria uma testemunha  e lhe disse: "Quem teria encontrado os corpos das irmãs e nos teria contado o que aconteceu? Deus queria que soubéssemos."
Irmã Sally disse à Irmã Río que o padre Tom lhes dizia todos os dias: "Devemos estar prontas para o martírio."
Irmã Judith - estavam tratando de leva-la para dar um curso senior, mas não eram capazes de retira-la.
Irmã Reginette - Também planejavam envia-la para um curso junior, porém não conseguiram retira-la.
 
Deus as queria ali.
Fonte: La Gaceta
Tradução: Morro por Cristo
 
*                       *                       *                       *                       *
 
Na glória de Deus se encontraram, madre e filhas espirituais. Que as Irmãs mártires, juntamente com Madre Teresa, possam interceder por todos aqueles que sofrem perseguição por causa de Nosso Senhor Jesus Cristo.
 
Viva Cristo Rey!

sábado, 3 de setembro de 2016

SÃO PIO X, rogai por nós!

Hoje - conforme o Calendário Litúrgico Tradicional - é dia do grande Papa São Pio X, patrono de nosso blog.
Para saber mais sobre a vida deste glorioso santo de Nosso Senhor Jesus Cristo, CLIQUE SOBRE A IMAGEM:

CLIQUE AQUI
SÃO PIO X, rogai por nós!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Prova de que os primeiros cristãos pediam a intercessão de Nossa Senhora

Caros leitores, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Qualquer pessoa séria, que busque a verdade e se proponha descobri-la com sinceridade, não permitindo que paixões e opiniões pré concebidas atrapalhem essa descoberta, enfim, qualquer pessoa realmente interessada na verdade descobrirá ao estudar a história do Cristianismo que a Igreja Católica é a mesma Igreja fundada por Cristo, ao menos no sentido histórico (sucessão ininterrupta de Bispos em Dioceses desde os tempos apostólicos até nossos dias, mútuo reconhecimento da validade e autoridade desses Bispos/Dioceses, além, obviamente, da comunhão de Fé). Não por menos, protestantes históricos tal qual seus "pais" reformadores jamais colocaram em dúvida esse fato, justificando apenas sua separação desta Igreja por acreditar que ela tenha se corrompido, aderido ao erro e abandonado a verdade evangélica.

Sendo assim, afirmações estúpidas do tipo "a Igreja Católica foi criada por Constatino" são normalmente proferidas por protestantes "mais recentes", desprovidos de conhecimento histórico, embora repletos de orgulho. Sim, o orgulho, o mesmo pecado que deu origem ao protestantismo. O orgulho é o pecado pai do protestantismo. Por que digo isso? Ora, basta pensar em Lutero e na maneira como conduziu sua "reforma". A corrupção entre membros da Igreja sempre existiu ao longo de seus - até então - 1500 anos (basta pensar no Apóstolo Judas Iscariotes que roubava da bolsa sob seus cuidados (São João Cap. 12 vers.6) e que por fim traiu o Senhor por 30 dinheiros) e no entanto, por diversas vezes, Deus suscitou santos para condenar tais erros e restabelecer a virtude entre os membros da Igreja. E Lutero, ele mesmo um homem nada virtuoso, o que fez? Buscou consertar a Igreja tal qual haviam feito os santos? Não! Cheio de orgulho e soberba, dela se separou julgando-se acima de tudo e de todos, crendo representar "a vontade de Deus na terra", fundando sua própria seita e iniciando um processo que perdura até nossos dias (a cada dias integrantes de seitas protestantes delas se desvinculam para fundar suas próprias seitas em um movimento que parece não ter fim). 

Esse mesmo orgulho faz com que pessoas sem o mínimo preparo venham até nosso blog atacar a Igreja que é o Corpo místico de Cristo, essa mesma soberba leva verdadeiros coitados a visitar nosso blog para blasfemar contra a Santíssima Virgem, Mãe de Deus, sem perceberem o que fazem, ou o que é pior, acreditando que com isso estão "servindo a Deus". Ora, esse orgulho e essa soberba tal como em Lutero, os impede de ver o que realmente são, os impossibilita de perceber sua real insignificância. E não pense o leitor que os chamo de coitados e insignificantes comparando-os a mim (também coitado e insignificante). Comparo-os à Verdade revelada (que é o próprio Cristo) através de Seu Corpo que é a Igreja, assim como à mais perfeita Criatura feita por Deus, a Virgem Maria.

Uma pobre coitada que aqui veio blasfemar contra Nossa Senhora, dentre outras coisas não muito compreensíveis, disse que "adoramos essa deusa"  porque somos ignorantes e que devemos "estudar mais" e "ler mais a Bíblia". Ora, como alguém que sequer consegue se expressar de uma maneira minimamente compreensível pode se achar superior a uma Instituição com 2 mil anos de existência, composta por santos e doutores cujas virtudes e sabedoria até hoje são reconhecidos mesmo por não crentes? Como tal pessoa orgulhosamente acredita poder julgar uma instituição de 2 mil anos mandando-a "estudar mais" e "ler mais a Bíblia" sendo que essa mesma Instituição foi a que FORMOU a Bíblia (e a estuda há 2 mil anos)?

Para finalizar, tal pessoa afirma que a Virgem Maria é "adorada" na Igreja Católica (por ela chamada "ICAR") porque "o catolicismo é uma mistura de paganismo, espiritismo e macumba" e "da macumba" teria tirado a "adoração" à Nossa Senhora.

Duas coisas devem ser esclarecidas:

A primeira: Nossa Senhora, assim como qualquer outra criatura, não pode ser adorada. Nós amamos a Virgem Maria, a veneramos como Aquela escolhida pelo próprio Deus desde todo o sempre para nos trazer a Salvação ao mundo, isto é, Jesus Cristo Nosso Senhor. Sendo assim, a amamos e veneramos de todo o coração pois o próprio Deus assim o quis (São Lucas cap. 1 vers. 48).

A segunda: Por se tratar de uma afirmação ridícula, nem precisaria ser respondida a acusação de que o Catolicismo e a veneração à Virgem Maria serem retirados "da macumba" uma vez que a "macumba" (talvez ela queira ter se referido a religiões afro-brasileiras como Candomblé e Umbanda) possuem pouco mais de um século (no caso da umbanda, por volta de 100 anos, enquanto o candomblé varia uma vez que alguns alegam ter vindo juntamente com os escravos entre 300 e 400 anos atrás enquanto outros afirmam tratar-se de uma religião fruto da mistura de crenças africanas, não tendo sequer 200 anos de existência) enquanto o Catolicismo, como já mencionado, possui 2000 anos. Só o argumento do tempo já seria suficiente para que tal bobagem não fosse propagada.

Mas a verdadeira intenção deste artigo é demonstrar que a devoção à Santíssima Virgem como intercessora junto à Deus está presente entre os cristãos desde o início do Cristianismo, quando Nosso Senhor fundou a Igreja sobre os Apóstolos. Abaixo reproduzo o artigo publicado no excelente site Thyself, o Lord sobre o papiro que contém a oração mais antiga à Nossa Senhora já encontrado.

Contra fatos não há argumentos, o que dirá mentiras e calúnias.

Viva Cristo Rey!

José Santiago Lima

*              *              *              *              *              *              *              *              *

Papiro Revela A Primeira Oração a Nossa Senhora (do ano 250).



O Terceiro Concílio Ecumênico de Éfeso de 431 definiu que Nossa Senhora era Mãe de Deus. Mas muito antes os cristãos já chamavam Nossa Senhora de Mãe de Deus (theotokos) e pediam intercessão de Nossa Senhora, pedindo auxílios e refúgio em suas dores. O povo cristão estava séculos na frente da determinação da Igreja

Em 1917, a Biblioteca John Rylands de Manchester adquiriu um papiro egípcio escrito em grego koiné (o grego usado nos evangelhos). O papiro foi datado para o ano 250.Nele há uma oração a Nossa Senhora, que diz, na versão original e em inglês.


Traduzindo a Oração a Nossa Senhora para o português seria:

Em sua compaixão, nós tomamos refúgio, Oh Mãe de Deus: Não despreze nossos pedidos em tempos de dificuldades, mas nos salve dos perigos, oh única santa, oh única abençoada. 

Vejam, protestantes e muçulmanos, Nossa Senhora é exaltada pelos cristãos como intercessora a Deus desde sempre e não como deusa.

Mais informações no site Trisagion Films.

O site disponibiliza um vídeo com Oração dita no original em grego cantada.





Rezemos por nós e pela Igreja como fizeram nossos irmãos cristãos dos primeiros séculos.

Fonte: THYSELF, O LORD

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Como você trata o Corpo de Cristo (Eucaristia)?

Caros leitores, louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Inicio esse post com a seguinte pergunta: Como você agiria se Nosso Senhor Jesus Cristo em pessoa descesse do Céu e se colocasse diante de você?

Imagine: Você está na Igreja, rezando, concentrado, e eis que o Céu se abre e desce, na sua frente, o próprio Cristo Jesus. Como você se portaria? Como se colocaria diante da Sua divina presença?

Reflita...

Tenho certeza que você, caro irmão, se lançaria aos pés do Senhor, em atitude de adoração... se ajoelharia para demonstrar-Lhe todo o seu respeito, se inclinaria reconhecendo-Lhe a grandeza, enfim, JAMAIS ficaria indiferente diante de Sua presença. 

Agora, após essa reflexão, faço uma nova pergunta, desta vez a mesma do título desta postagem: Como você trata o Corpo de Cristo (a Eucaristia)? Como se porta diante d´Ele?

O que me motiva a fazer essa pergunta, caro irmão, é o fato de observar diariamente a sintomática falta de respeito e indiferença com que tantos irmãos tratam o Santíssimo e Diviníssimo Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo presente nos Sacrários de Nossas Igrejas, quando não durante a celebração da própria Missa. E por que apresentei a "historinha" acima para reflexão? 
Porque trata-se da mesma situação! Todo católico deveria saber, embora isso infelizmente seja ignorado, que na Santíssimo Eucaristia temos presente, não de modo simbólico, mas sim de modo REAL, o mesmo Jesus Cristo que está nos céus.

Assim definiu dogmaticamente o Concílio de Trento:

Porque Cristo, nosso Redentor, disse que o que Ele oferecia sob a espécie do pão era verdadeiramente o seu Corpo, sempre na Igreja se teve esta convicção de que o Sagrado Concílio de novo declara : pela consagração do pão e do vinho opera-se a conversão de toda a substância do pão na substância do Corpo de Cristo Nosso Senhor, e de toda a substância do vinho na do Sangue ; e esta mudança, a Igreja Católica chama-lhe, com justeza e exactidão, Transubstanciação. (DS 1642).(cf. CIC 1373).

E assim ensina o Catecismo da Igreja Católica:

1374. - O modo da presença de Cristo sob as espécies eucarísticas é único. Ele eleva a Eucaristia acima de todos os sacramentos e faz dela "como que a perfeição da vida espiritual e o fim para que tendem todos os sacramentos" (S.Tomás de Aq. Summa Theol. 3,73,3). No Santíssimo Sacramento da Eucaristia estão "contidos, verdadeira, real e substancialmente, o Corpo e o Sangue, conjuntamente com a alma e a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo e, por conseguinte, o Cristo total (Conc.de Trento : DS 16511. "Esta presença chama-se real», não a título exclusivo como se as outras presenças não fossem “reais”, mas por antonomásia, porque é Substancial, quer dizer, por ela está presente Cristo completo, Deus e homem". (MF 39).

Portanto, aquele que queira ser verdadeiramente católico, deve crer firmemente, sem qualquer sombra de dúvidas ou espaços para outras "interpretações", que a Eucaristia É verdadeiramente o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sendo assim, quando diante dEla - seja sobre o altar durante a celebração da Santa Missa, seja no Sacrário - como portar-se diferente daquilo que imaginamos caso estivéssemos diante de Cristo descido do Céu?

Como é triste ver pessoas indiferentes ou mesmo com posturas desrespeitosas diante do Senhor Eucarístico, através de trajes indecentes, falta de atenção ou mesmo conversas paralelas e pouco apropriadas para tão importante ambiente. Como é doloroso ver pessoas que se somam à "fila da comunhão" para receber o Santíssimo como se estivessem recebendo um "biscoitinho" qualquer, muitas vezes cometendo sacrilégio por não se encontrarem em estado de graça, recebendo assim a própria condenação (como nos ensina São Paulo). Quantos religiosos, padres e mesmo membros da alta hierarquia que tratam o Santíssimo como se eles mesmos não acreditassem em sua Presença Real, manuseando-O sem qualquer cuidado ou reverência. Quantos católicos que, embora digam crer, minutos depois estão "batendo papo" às gargalhadas enquanto a alguns passos se encontra o Rei dos Reis, ali, esquecido, como se nada fosse.

Enfim, finalizo este pequeno desabafo cujo objetivo principal é provocar uma reflexão, trazendo um pequeno artigo que mostra como nossos irmãos católicos do Oriente, perseguidos pela Fé que muitas vezes desdenhamos, tratam o Corpo de Cristo.

E você? Como trata o Corpo de Cristo?

Viva Cristo Rey!

José Santiago Lima

*                    *                    *                    *                    *                    *                    *                    *

No Oriente mártires adoram a Eucaristia,
a qual é entregue por religiosos à profanação no Ocidente

Crianças do campo de refugiados em Erbil (Iraque) na Missa de Primeira Comunhão. Foto cortesia Diácono Roni Momica
Crianças do campo de refugiados em Erbil (Iraque) na Missa de Primeira Comunhão.
Foto cortesia Diácono Roni Momica
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Dom Francesco Cavina, bispo de Carpi, Itália, visitou o Curdistão iraquiano, no norte de Bagdá. 

Ele ficou impressionado com a gratidão dos cristãos pela proteção divina, “sobretudo por terem conservado a fé pela qual estão dispostos a morrer, pois não querem perder o verdadeiro tesouro da vida que é Cristo e a pertencença ao seu Corpo Místico que é a Igreja”, segundo narrou o bispo no seu retorno, informou o jornal italiano “Il Foglio”. 

“Os cristãos experimentaram uma profunda sensação de solidão enquanto as milícias jihadistas avançavam. Sentiam-se traídos pelas instituições do governo e, mais dolorosamente ainda, por aqueles que julgavam serem amigos e que não somente os abandonavam, mas os denunciavam” aos fanáticos islâmicos. Após os cristãos abandonarem suas casas, os seguidores de Maomé as invadiram e pilharam todos os seus haveres.

O bispo de Carpi sublinhou “que o Estado islâmico procura eliminar a presença dos cristãos do país constrangendo-os a emigrar. Os cristãos, de fato, não aceitam serem definidos como uma minoria religiosa que no máximo pode ser tolerada”, como impõe o Corão. 




O bispo italiano assistiu a cenas de crianças que tendo perdido tudo participavam de Adorações do Santíssimo Sacramento, uma devoção nobilíssima que parece incrível no Ocidente, onde a fé está cada vez mais entibiada.
“O Santíssimo estava exposto sobre um altar e as crianças estavam dispostas em volta d’Ele formando círculos, com as mãos juntas e ajoelhadas no estilo oriental. Rezavam, cantavam, ficavam em silêncio. Fiquei impressionado com sua compostura e atenção. Muitos rezavam e cantavam com os olhos fechados”, completou Dom Cavina.


O arcebispo católico-siríaco de Mosul, Mons. Yohanna Petros Mouche, pediu “pessoalmente ao governo italiano um reconhecimento oficial do genocídio para nos ajudar a retornar às nossas terras e continuar a viver em nosso país”.


O cardeal Jean-Louis Tauran, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo interreligioso, acrescentou: “Os cristãos estão sendo mortos, ameaçados, reduzidos ao silêncio ou expulsos; suas igrejas estão sendo destruídas ou correm o risco de virarem museus. O cristianismo arrisca desaparecer precisamente na terra em que se expandiu inicialmente a fé de Cristo.
“Em 1910, 20% da população do Oriente Médio eram cristãos. Agora eles são menos de 4%. Evidentemente há um plano de ação para apagar o Cristianismo do Oriente Médio e isso bem pode ser chamado de genocídio.”

Procissão de Nossa Senhora de Lourdes, na Damasco bombardeada, Síria
Procissão de Nossa Senhora de Lourdes, na Damasco bombardeada, Síria

O prelado, porém, nada disse se está cobrando dos islâmicos a indispensável reciprocidade, sem a qual o ecumenismo vira palhaçada, exigência esta que teria efeitos salvadores para as vidas de católicos e para a presença católica no Oriente Médio.


O emocionante relato do bispo de Carpi como que impõe algumas reflexões. Antes de tudo a respeito da fé ardente desses católicos martirizados. 


Hoje, nas cátedras eclesiásticas, nas Missas, na mídia, nas pregações ou nos encontros diocesanos nacionais e internacionais, bispos e sacerdotes podem falar dos sofrimentos materiais e corporais dos nossos irmãos na Fé perseguidos e mortos. 


Mas quantas vezes falam da religião católica atacada com sanha islâmica, que é feroz senão satânica?


Peguemos a Internet ou a mídia convencional. Onde estão os líderes religiosos católicos denunciando o ódio religioso desencadeado contra Cristo, sua Igreja e seus fiéis seguidores pelos discípulos de Maomé?


Onde estão os convites para Adorações do Santíssimo Sacramento, reza do Terço e outras formas de piedade em união de intenções com aquelas crianças, que talvez tenham perdido parte de suas famílias, cruelmente assassinadas por causa de sua Fé e sujeitas elas próprias a sádicos martírios?


Elas lá, adorando Jesus Sacramentado no que pode ser um dos derradeiros atos de sua curta existência, e nós aqui: o que ouvimos pregar em nossas igrejas?


Mais triste ainda é considerar que multidões de sequazes da furiosa religião de Maomé são acolhidas em nossos países com argumentos humanitários, enquanto esses argumentos de nada valem para as vítimas quando estas são cristãs. 
Adoração do Santíssimo Sacramento, no mês de Maria, na catedral de Aleppo, cidade pesadamente bombardeada
Adoração do Santíssimo Sacramento, no mês de Maria, na catedral de Aleppo,
cidade pesadamente bombardeada
E não é só a mídia convencional ou a Internet, mas são também sacerdotes, bispos – e ficamos por aqui por respeito – que apelam para receber as hostes invasoras do Islã.


E, mais lancinante do que tudo, Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiramente presente na Hóstia consagrada com Seu Corpo, Sangue, Alma e Divindade, é devidamente adorado no Oriente Médio por possíveis futuros mártires de poucos anos de idade.


Entrementes, reúne-se em Roma um Sínodo com representantes de todos os episcopados do mundo, cujas mãos consagram a Hóstia todos os dias na Missa.


Muitos deles postularam nada menos do que a entrega do Santíssimo Sacramento à profanação, pela sua distribuição àqueles em situação matrimonial escandalosa: os “divorciados recasados” e outros estados pecaminosos vituperados pela Escritura e pelo Magistério de dois mil anos da Igreja.


Entramos no centenário de Fátima. Não é bem verdade que os terríveis anúncios de Nossa Senhora para a humanidade pecadora, sensual e orgulhosa, não ficam inteiramente explicáveis e inevitáveis à luz dos fatos descritos?


É de se temer mais pelo Ocidente, onde os muçulmanos ainda não andam chacinando todo o mundo pelas ruas – embora já existam atentados espantosos –, do que pelos heroicos católicos resistentes no Oriente Médio. 


Estes últimos estão mais próximos da misericórdia divina, do amparo de Nossa Senhora e do próprio Céu, do que as línguas farisaicas de nossos países, igrejas e mídias.

Fonte: As cruzadas